NEORREPUBLICANISMO E CORRUPÇÃO: ELEMENTOS PARA A GOVERNANÇA DA ÉTICA PÚBLICA NO BRASIL

Autores

  • Farlei Martins Riccio de Oliveira Centro Universitário IBMEC-Rio.

Resumo

No Estado Democrático de Direito, os instrumentos jurídicos de comba- te à corrupção administrativa buscam dissuadir e sancionar os agentes públicos que agem de forma corrupta, positivando instrumentos ou mecanismos de tutela da pro- bidade administrativa. Inobstante a institucionalização dos instrumentos de combate à corrupção no sistema normativo, a forma como o Estado se organiza politicamente e como os órgãos públicos de repressão se articulam pode ser determinante para a sua eficácia. Tendo como referencial teórico o neorrepublicanismo, o presente artigo pretende verificar se o desenho político-administrativo do Estado brasileiro favorece a plena eficácia dos instrumentos de combate à corrupção e, em caso positivo, como eles poderão ser empregados para a elaboração e promoção de uma governança da ética pública.

Biografia do Autor

Farlei Martins Riccio de Oliveira, Centro Universitário IBMEC-Rio.

Pós-Doutor em Administração Pública pela Universidade Ca’ Foscari de Veneza - Itália (2015). Doutor em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio (2012). Mestre em Direito da Administração Pública pela Universidade Gama Filho-RJ (2003). Advogado da União em exercício na Procuradoria Regional da União no Estado do Rio de Janeiro (2000). Professor de Direito Administrativo e Direito Constitucional. Membro do Instituto de Direito Administrativo do Estado do Rio de Janeiro - IDAERJ, da Associação Brasileira de Constitucionalistas Democratas – ABCD, e da Comissão de Assuntos Legislativos da OAB/RJ. Membro fundador do Instituto de Direito Administrativo do Rio de Janeiro - IDARJ. Atua na área de Direito, com ênfase em Direito Administrativo, Direito Constitucional, Direito Regulatório e Direito Militar, e na área de Gestão Pública, com ênfase em Administração Pública.

Referências

ARIAS, Luis Federico. De la corrupción, el derecho y otras miserias. In: OROZ, Miguel H. E. (coord.); D’ ARGENIO, Inés A. (dir.). Ejercicio de la función pública. Ética y transparencia. La Plata: Librería Editora Platense, 2007.

ARIZA, S. S. La Recuperanción de la Política. Algunas reflexiones sobre el republicanismo. In: FIGUEROA, A. G. (coord.). Racionalidad y Derecho. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Cons- titucionales, 2006.

BAPTISTA, Patrícia. Transformações do Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.

BARROSO, Luis Roberto. O Estado contemporâneo, os direitos fundamentais e a redefinição da supremacia do interesse público. Prefácio. In: SARMENTO, Daniel (org). Interesses Públicos versus Interesses Privados: Desconstruindo o Princípio de Supremacia do Interesse Público. Rio de Janei- ro: Lumen Juris, 2005.

BERTEN, André. Republicanismo e motivação política. In: MERLE, Jean-Cristophe; MOREI- RA, Luiz (orgs.). Direito e Legitimidade. São Paulo: Landy, 2003.

BOCKENFORDE, Ernst W. Estudios sobre el Estado de Derecho y la Democracia. Madrid: Trotta, 2000.

CONILL, J. La Tradición del Republicanismo Aristocrático. In: CONILL, J.; CROCKER, D. A. (editores). Republicanismo y Educación Cívica. Granada: Colmares, 2003.

DOMINGUES, I. (org.). Conhecimento e Transdisciplinariedade II. Aspectos Metodológicos. São Paulo: Humanitas, 2005.

FIESP - FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DE SÃO PAULO. Relatório Corrupção: custos econômicos e propostas de combate. Março de 2010. Disponível em:<http://www.fiesp.com.br/ aquivo-download/?id=2021>. Acesso em: 25 jun. 2019.

HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro. Estudos de teoria política. São Paulo: Loyola, 2002. ______ . O Estado-nação europeu frente aos desafios da globalização: o passado e o futuro da

soberania e da cidadania. Revista Novos Estudos, n. 43, São Paulo, CEBRAP, 1995. LEWANDOWSKI, Enrique Ricardo. Reflexões em torno do princípio republicano. Revista da

Faculdade de Direito da USP, n. 100, p. 189-200, jan./dez. 2005.

LOSURDO, Domenico. Democracia ou bonapartismo: triunfo e decadência do sufrágio universal.

Tradução de Luiz Sérgio Henriques. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/UNESP, 2004. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. Dez Medidas Anticorrupção. Revista de Direito Adminis-

trativo, Rio de Janeiro, v. 272, p. 381-442, maio/ago. 2016.

MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. Juridicidade, pluralidade normativa, democracia e con- trole social. In: Fundamentos do Estado de Direito. Estudos em homenagem ao Professor Almiro do Couto e Silva. São Paulo: Malheiros, 2005.

_____ . Direito da Participação Política. Rio de Janeiro: Renovar, 1992.

PEREZ, Marcos Augusto. A Administração Pública Democrática. Belo Horizonte: Fórum, 2004.

PETTIT, Philip. Republicanism. A Theory of Freedom and Government. Oxford University Press, 1997.

_____. Republicanismo. Una Teoria sobre la liberdad y el gobierno. Tradução de Toni Domènech. Barcelona: Paidós, 1999.

_____. Teoria da Liberdade. Belo Horizonte: Del Rey, 2007.

_____ . Deliberative democracy and the case for depoliticising government. UNSW Law Journal,

v. 24, 2001.

PINTO, Ricardo Leite. Uma introdução ao neo-republicanismo. Análise Social, XXXVI (158-159), 2001.

ROCHA, Carmem Lucia Antunes. Princípios constitucionais do processo administrativo no Direito brasileiro. Revista de Informação Legislativa, Brasília, a. 34 n. 136 out./dez. 1997.

VALLE. Vanice Regina Lírio do. Direito fundamental à boa administração e governança. Belo Horizonte: Fórum, 2011.

VIROLI, Maurizio. Diálogo em torno da república: os grandes temas da política e da cidadania. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

Publicado

2019-11-23

Edição

Seção

Artigos